Opinion Zone: Grace

Sim, o quadro do blog que ninguém pediu para voltar e que deveria estar enterrado volta do limbo. E como não foi dada inspiração para fazer um post sobre os quadrinhos lidos pelo autor (sim, dessa vez ele conseguiu ler alguma coisa), será feito mais um Opinion Zone marotão indicando música, dessa vez com esse carinha aí da foto, Jeff Buckley. O álbum em questão é Grace, único álbum lançado por ele em vida. Conheci ele pelo Troca o Disco, um ótimo podcast de música que acompanho desde o episódio 2, e linkarei ele aqui só para os inteligentes verem.



Do ano de 1994, álbum traz uma sonoridade brutalmente poética, com belíssimos riffs e uma melodia Repetacular. Isso é apenas para dizer que o maluco manjava dos paranauês violinísticos e não era um desses caras que hoje em dia dizem que tocam violão e vão pra festinha tocar três acordes de uma música do Legião urbana. Além disso, como se já não fosse muito, o cara tem uma puta voz, mas puta voz mesmo, além de realmente saber cantar para CaRALheo. Cristiane Torloni (caralho, ainda ta linda demais essa mulher) fala quando descobri que Jeff Buckley vai tocar:




Como a coragem para escrever está se esvaindo, irei apenas falar de algumas músicas e espero que a molecada vá atrás, o Google e os torrents tão aí para isso. Primeira é a que abre o álbum, Mojo Pin. Eu sinceramente ainda não entendi o que isso quer dizer, mas ela segue o esquema de músicas sobre amor, que vão permear a maior parte da obra. Ela começa mais lentinha, mas depois vão encorpando de forma a estar destruindo no final. Fica aí para se ouvoliciarem:



Depois falar logo da cereja do bolo, Hallejuah - nunca aprendi a escrever o nome dessa música, falem Haleluia que ta certo - música famosíssima e coverizada para caralho, que para quem não lembra é a música do Shrek 1, depois que o Shrek entrega a Fiona para o lord anão. Além de ser belíssima por si só, a voz de Buckley dá uma bela incrementada a música, além de manter ela sempre suave, às vezes melancólica. Outra ótima pedida.

Lover, you should come over, é uma canção de amor desperado, querendo reatar. Ela é tipo uma Still Loving You, dos Scorpions, que vocês escuta depois de ter feito aquela burrada que acabou com o namoro - ou de ser friendzoneado pela enésima vez. Não só é muito bonita como tem uma bélissima progressão do mais calmo para o mais pesado também. Enfim, escutem aí.



Eternal Life é uma porrada. Porrada mesmo, um espancamento de guitarra dahoríssimo, uma surra nos instrumentos musicais que dá gosto de ouvir. A letra me deixou em dúvida, mas pelo que vi tem alguma coisa a ver com uma raiva, raiva tão grande e um inconformismo, às vezes falta de esperança. Buckley disse que foi feita pensando na morte de Martin Luther King e a raiva que sentiu daí.




Enfim, tem muita cosia boa aí. Corpus Chrsti Carol, Dream Brother, Lilac Wine... vale muita a pena dar uma conferida nesse álbum espetacular. E por aqui fica mesmo o Opinion Zone, é o que tem para hoje e sem Regra 13, infelizmente. Mas fiquem com um show dele, para caso queiram conhecer mais coisas. É um puta álbum, com uma belíssima guitarra e uma voz sensacional, que vai do puro lirismo a raiva com uma grande facilidade e maestria. Até o próximo post e tchau.





Confira Também...

0 comentários