A polêmica da censura - Capas !

É de sabedoria da maioria dos leitores que em março deste ano a DC cancelou uma capa variante da Batgirl (pelo artista brasileiro Rafael Albuquerque) depois de revolta na web, xingamentos ao desenhista e etc. O objetivo desse post é aproveitar tudo que permeou essa notícia e o quão divergente isso foi, para agora podermos pensar no legado.
OBS - SEM TRETAS !! DEIXEM SUAS OPINIÕES E DISCUTAM CIVILIZADAMENTE


1º - Como retratar um lunático nos quadrinhos? A imagem acima é uma forma humorada de pensar num contraponto. O Coringa é um psicopata com uma refém, simples assim ocorre em todo filme de TV aberta (um cara armado com um refém amedrontado). A imagem em si não é mais forte do que a que mostraremos abaixo, o problema aqui está em atribuir crimes/preconceito contra mulheres, oriundos no passado recente da personagem proveniente do ocorrido em Piada Mortal. Mas não é uma espécie de hipocrisia? A edição #39 de Batman (Abril de 2015, um mês após a censura) mostra o Coringa (numa versão mais amedrontadora) torturando o Batman amarrado em uma cadeira. A questão é, porque não obtivemos alarde com tal capa ? Não esqueça, o Coringa matou Jason Todd friamente, e que Jason era 'filho adotivo' de Bruce. Ou seja, deveríamos fazer tal acepção na capa abaixo.


Ou mostrar os pais mortos diante de uma criança aterrorizada ou o corpo ensanguentado de seu tutelado nos braços, não deve ser colocado em pauta ?



A edição #19 de Batgirl (Novos 52) tem a personagem central 'assassinando' seu irmão, lançando-o na morte certa de um telhado sendo observada por seu pai. A DC não censurou a capa em questão. E também no próprio passado recente da editora uma versão tenebrosa do Coringa apareceu em 'Convergence,' numa capa que se equipara a de Albuquerque, tendo a desacordada Mulher Maravilha nos braços do vilão pronto para um golpe derradeiro (abaixo). Quando discutimos essas imagens?





2º - Tudo bem é uma empresa: Portanto a decisão de autocensurar uma capa de quadrinhos não chega a ser problema, já que o interesse maior é o público e se houve problemas com a aceitação do mesmo nada mais justo que lhe atender. E claro, por mais que o artista possa se chatear num caso desses, ele não tem total liberdade criativa dentro de uma empresa. Haverá limites, e ele estará ciente disto. Bem por isso exceções geralmente são tratadas em séries próprias com selo adulto, advertências na capa ou em editoras que permitam uma liberdade criativa. Né Garth Ennis ?


Agora já repararam o quanto de capas de quadrinhos estariam abertas a vastas discussões, onde muitas talvez tenham muito mais 'preconceito' embutido do que a capa da Batgirl ? Sendo que mencionamos 3 recentes acima falando apenas de Novos 52. Vamos ver uma lista rápida :
















 



Bom, o objetivo desse post é fazer pensar. Temos aqui material o suficiente para entender, que dependendo do modo como enxergamos as coisas, poderemos ter censura em novelas, filmes, música e etc que talvez sejam mais pesados do que a capa do Albuquerque. Mas apenas comparando quadrinhos, já é perceptível que tanto no que tange a DC, quanto no restante, temos coisas gritantes que nem sequer são alardeadas pelo público que talvez (eu disse talvez) tenham tomado o Rafael para bode expiatório.

Confira Também...

0 comentários