Jornada nas Estrelas: Saiba um pouco mais sobre o primeiro filme da era do Reboot

Conheça mais um pouco do primeiro filme do Reboot
O filme saiu nos cinemas em 2009, apesar de ser o primeiro filme rebootado da franquia, não foi a primeira vez que a Paramount pensou em fazer isso, após o fracasso de Startrek V muitos executivos pensaram em Rebootar a franquia, mostrando Kirk e Spock na academia se unindo mais tarde contra uma ameaça maior, grande parte do roteiro dessa ideia de reboot de décadas atrás foi reaproveitado no filme de 2009, que custou um pouco mais de 150 milhões sendo o filme mais caro até então produzido pela franquia, porem foi um dos mais lucrativos, arrecadando em torno de 350 milhões no mundo todo,  mas foi o primeiro filme de Jornada a aproveitar o mercado chines que desde 2005 mudou a cara das bilheterias mundiais, o filme foi deixado a cargo do diretor J. J. Abrams que era conhecido como um fã de Starwars, bem como  até então feito um filme de grande orçamento (missão Impossível 3), porem seu sucesso no seriado Lost (que ele dirigiu apenas o piloto, mas ficou conhecido como o criador da serie) e era conhecido pelos seus roteiros em outros filmes como Eternamente Jovem e Armagedom, foi um tiro no escuro na época, pois ele era conhecido por fazer visuais confusos nas cenas de ação e focar bastante nos efeitos visuais da cena, não na sua compreensão por quem vê a cena, ele também foi produtor do filme, sendo assim responsável por escolher um novo design para a Enterprise, seus dois primeiros filmes foram duramente criticados pelo seu estilo de direção nas cenas de ação e no uso de flares (as luzes de fundo), que muitas vezes deixava os telespectadores confusos, o roteiro ficou a cargo Roberto Orci e Alex Kurtzman (conhecidos por seus roteiros para Transformers no cinema), que tentou emular Transformers e Starwars para um novo estilo de Jornada nas Estrelas, transformando inclusive os Vulcanos em apenas humanos que vivem mais e tem habilidades especiais, tirando grande parte das características da raça alienígena.

O primeiro filme do reboot até hoje foi o mais lucrativo dos 3 filmes da franquia rebootada e deu confiança para a Paramount apostar nesse universo rebootado, a ideia de J. J. Abrams foi sair da aura de Jornada nas Estrelas que é um filme mais voltado a roteiro mostrando temas complexos de ficção cientifica mesclados com um pouco de ação e criar um clima de Guerra nas Estrelas com visuais bonitos uma historia simples e rechear de ação frenética, uma das ideias dele foi diminuir a capacidade dos escudos, para assim dar mais drama as cenas de ação, pode ser notado que os escudos sempre caem completamente nos primeiros segundos de combate, sem falar de fazer a Enterprise ser capaz de lançar diversos ataques ao mesmo tempo, dando um visual mais bonito e frenético nos combates, ele também adotou o visual de câmera móvel nas cenas de ação ( coisa que diversos filmes pegaram da serie de tv remake Battlestar Galactica), deixando claro que esse filme não seria focado em uma historia ou mensagens mais sim nas cenas de ação, ele remodelou os personagens também deixando Spock mais emotivo e quase igual aos humanos, apenas focando na parte das vantagens físicas em ser um vulcano, como por exemplo força e resistência ampliadas, para ajudar na transição dos fãs antigos e aos novos ele chamou o spock original para fazer uma participação no estilo de passar a tocha para as novas versões dos personagens, criando assim uma historia de viagem no tempo.
Na historia do filme, após a chegada de uma nave romulana comandada por Nero (Eric Bana) através de uma um buraco no espaço-tempo, estranhos acontecimentos deixam a Frota Estelar em estado de alerta. Um pedido de socorro do planeta Vulcano faz com que todas as naves da frota se dirijam ao planeta, incluindo a USS Enterprise comandada pelo capitão Pike (Bruce Greenwood). Uma série de encontros e desencontros fará com que Kirk (Chris Pine), Spock (Zachary Quinto), McCoy (Karl Urban), Uhura (Zoe Saldana), Scotty (Simon Pegg), Chekov (Anton Yelchin) e Sulu (John Cho) também se conheçam e precisem lidar com suas diferenças para formar a tripulação clássica da Enterprise e deter a ameaça de viajantes temporais.

Uma das maiores criticas desse roteiro foi transformar a Federação, bem como o universo de Jornada nas Estrelas em um mundo generico de ficção cientifica, sem falar nos diversos furos do roteiro, que transforma uma nave de mineração em uma nave capaz de destruir mundos (aos moldes da estrela da morte), o Reboot transformou um universo otimista em relação ao futuro da humanidade em um universo sombrio e quase uma distopia, mas que fabrica naves de combate para lutar contra as ameaças a Federação (novamente uma inspiração ao reboot de Galáctica), as atuações do filme são ruins e caricatas com exceção de Karl Urban como o dr Mccoy que parece ter incorporado perfeitamente o personagem, como Karl Urban é naturalmente fisicamente mais forte que os demais atores criaram um trecho no roteiro para justificar o seu nome Bones ou Magro na tradução brasileira, que foi o fato de sua ex mulher ter levado até os "ossos" dele no divorcio, o deixando liso ou magro (até que foi uma boa saída).
Como todos os filmes que saíram nesse período de ficção cientifica apostando no mercado chines utilizando efeitos especiais de ultima geração ele foi um sucesso, assim como os da franquia Transformers, arrecadando dinheiro mais do que o esperado pela produtora, para alguns esse foi um dos melhores filmes da franquia rebootada, mas para a maioria dos fãs foi uma enorme decepção que somente seria superada pelo filme seguinte Além da Escuridão que foi duramente criticado por fãs antigos e novos, bem como críticos de cinema,  Jornada nas Estrelas o filme Reboot 1 foi um dos piores filmes da franquia, mas foi um dos que mais arrecadou e deu dinheiro para a Paramount que nesse período estava passando por uma grave crise financeira e que se arrasta até hoje, mas que graças a esse filme conseguiu afastar ela da zona da falência.

O diretor fez uma aposta acertada para o publico atual que foi focar nas cenas de ação e efeitos especiais, deixando uma historia meio confusa, mas que é simples o suficiente para que seja compreendida pelo publico atual, também apostando em cenas de humor nos moldes dos filmes de super herois atuais, temos ainda uma grande mudança nos relacionamentos de Spock e Uhura que se tornaram namorados, outra coisa que foi duramente criticada por diversas pessoas, tendo assim regredido a personagem em um simples interesse amoroso, inicialmente tanto de Spock quanto de Kirk, nos aspectos técnicos e de efeitos especiais o filme é perfeito,  uma pena que no roteiro e na direção é bastante confuso, ficando assim longe do espirito da franquia de Jornada nas Estrelas, uma coisa que as continuações continuariam, apesar de o 3 filme da geração reboot com um novo diretor ter tentado resgatar o espirito de Jornada nas Estrelas, apesar de ter falhado foi considerado um avanço em relação aos dois primeiros filmes.

Confira Também...

0 comentários