Penny Dreadfull Final Season - Como estragar tudo com um final ruim !



Mais que promissora, uma das melhores séries de terror a despontar nos últimos anos - cai no clichê na última temporada para um final aquém do esperado. Veja o que achamos..

       O que dizer de Penny Dreadfull?  - Se levarmos em consideração a série até meados da terceira e última temporada - Uma série impressionante ! E não por menos destacamos um paralelo no uso de personagens da Liga Extraordinária no cinema e na série nesse post.
  O filme perde de lavada, justamente porque para uma boa película ainda é necessário um bom roteiro e trama. John Logan (3 indicações ao Oscar) Não esqueçam Sam Mendez Oscarizado como melhor diretor em 'Beleza Americana'. entrega uma ótima trama em suas 2 temporadas iniciais, comprovando que não existem gêneros batidos quando há boas histórias a serem contadas. Um emaranhado de criaturas bizarras e famosas do terror surgem em Penny Dreadfull, e mesmo que escritas a exaustão ao longo dos séculos, ainda parecem originais aqui. Frankenstein, Vampiros e tudo que a Londres Vitoriana poderia nos conceder. Sem contar a brilhante participação de Eva Green como força /foco principal da série.



     Mas se em 2 temporadas (1 hora  passava despercebida de tão bons os capítulos) tivemos um vislumbre de uma série de terror tão marcante quando American Horror Story, o que dizer da 3ª e última temporada com seu fechamento? Infelizmente, nada muito bom.
Apenas suspiros de outrora uma série que primava  pela qualidade técnica, enredo, fotografia, trilha sonora.  Os motivos indicam que seja o cancelamento por parte da Showtime - fato que parece ter sido consumado no inicio da produção da 'última' temporada. Haviam então duas possibilidades com o cancelamento, inventar um final não planejado que encaixasse no orçamento dos episódios disponíveis ou encerrar a série sem um fim definitivo.

       Opção 1 escolhida - Iniciamos a terceira temporada de maneira preguiçosa nos roteiros, sendo apresentado a um novo personagem (que será o 'vilão' da temporada se pudermos chamar assim). Porém a trama indica que ele não deveria ser revelado, ficando as sombras para um plot twist ou cliffhanger que antecederia uma nova temporada. E o que ocorre? De cara há a revelação do nosso 'vilão' (aqui parece que houveram refilmagens pela decisão do cancelamento - sendo que a quase todo momento só ouvimos a voz apavorante do personagem em questão, quando de repente tiram o clímax para mostrá-lo em sua forma humana.)



A série volta a focar Vanessa Ives (Eva Green) em seu melhor momento na 3ª temporada, onde é possível ver a soberba da sua atuação em meio as revelações do passado de sua personagem (ela sobra em cena). Aqui temos um pequeno respiro, quando tudo pareceria melhorar em meios aos problemas menores - finalmente vimos mais do passado de Vanessa e como ele se conecta com outro personagem importante da trama. Mas é mera distração, pois todas as subtramas que foram preparadas com cautela para outros personagens vão sendo menosprezadas.
Victor Frankenstein tem apoio do Dr. Jekyll (olha ai outro personagem famoso da série que mal é trabalhado e resume-se ao nome). Ethan tem uma subtrama no qual é possível ver mais de sua origem, decepções e legado. O que fica ainda melhor com a participação especial de Brian Cox.
Também há um pouco mais do passado de Clare e a colcha de retalhos vai se fechando.



       Então vamos para o desfecho - esquecidos os capítulos com a revelação prematura do vilão (quero acreditar que foi refeito)  uma participação insossa do Dr. Jekyll,  temos a sustentação da história na trama da Vanessa e na subtrama do Ethan - que tem violência, terror psicológico, horror e tudo que a série melhor soube trabalhar. Mas a essa altura faltam 2 episódios para o final season e parece que nada vai se conectar para um final digno. E realmente não vai ! Aqui há uma clara mudança na narrativa, os detalhes menores (na meticulosa escrita do Logan) ficam mais evidentes, o mau aproveitamento do 'vilão' e o melhor efeito 'Liga Extraordinária'. Tudo se encerra em diálogos vazios (um problema que a série não tinha) - uma rápida reunião e temos 'O Esquadrão Suicida' contra a ameaça do dia. Tudo se resume a uma luta final, todos os 'heróis' lutando juntos,  um final apressado, mal alocado na trama. Há uma busca por ajuda antes da 'batalha' que não tem pretensão alguma é sem nexo e apenas lança outro personagem no grupo faltando um episódio. Toda a construção magnífica de Penny Dreadfull é jogada ao vento - provocando uma grande decepção pelas possibilidades aqui perdidas.

   Por fim - um post comparando Penny com Liga Extraordinária faz ainda mais sentido, visto que tudo que a Liga não fez nos cinemas a série conseguiu fazer em 2 temporadas. Mas infelizmente conseguiu terminar de uma forma desmerecida e como se quisesse descobrar o vexame da adaptação de Alan Moore. A série nunca teve o tom dos seus últimos episódios.
Claramente esse não era o fim..