A proibição do salvamento da Princesa e a autopromoção em cima de causas que deveriam ser sérias.



No dia 15 de dezembro foi lançado o mais novo jogo do Super Mario para iphone e ipad, o Super Mario Run.
O jogo que é bem divertido e nostálgico até certo ponto, ganhou destaque não pelas resenhas sobre gráficos ou jogabilidade, mas sim por acusações de machismo e sexismo.

Muitas pessoas comentaram no twitter que não entendiam a razão do objetivo do Mario ainda ser salvar a princesa Peach. Não haveria razão, em pleno século 21, para uma princesa ser salva por um homem.

Machismo, Sexismo... o que são?

Machismo = qualidade, ação ou modos de macho ('ser humano', 'valentão'); macheza; exagerado senso de orgulho masculino; virilidade agressiva; macheza.

Sexismo = Sexismo é o ato de discriminação e objetificação sexual, é quando se reduz alguém ou um grupo apenas pelo gênero ou orientação sexual


A história do jogo do Super Mario é basicamente a seguinte: Existe um Reino de fantasia onde todos vivem felizes e contentes. Como tudo que é bom dura pouco, sempre aparecem seres malvados querendo acabar com a paz e dominar este Reino de alegrias; e para provar que estão falando sério, os vilões fazem a coisa mais sensata para demonstrar poder, capturam a princesa local. Então, para  restabelecer a paz, aparecem dois encanadores italianos que partem numa jornada heroica contra os vilões e salvar a princesa consequentemente.

Certo, vamos trazer isso para o mundo real: O que fazem os rebeldes quando querem dominar um país ou o território? Destronam o rei ou líder local. Estão aí as milhares de guerras e conflitos para corroborar com isso.

As definições de machismo e sexismo falam sobre demonstrações de macheza e virilidade, e a diminuição de alguém pelo fator sexual.

Voltando ao jogo: Mario (encanador, baixinho, gorducho) demonstra uma coragem ímpar para salvar a princesa, que por acaso é a comandante do Reino local, lutando contra gorilas gigantes e Lagartos com espinhos nas costas.

Repetindo: O Reino precisa ser salvo e surge um cara baixinho e gordo ( o completo oposto de virilidade) para resgatar a princesa ( que é simplesmente a pessoa mais importante do reino, que está acima de todos os outros habitantes daquele lugar).

Então, ao invés de entender a história e o objetivo do JOGO, vamos problematizar tudo com o pretexto de estar lutando por uma causa nobre?


Feminismo

Feminismo = movimento social e político que tem como objetivo conquistar o acesso a direitos iguais entre homens e mulheres e que existe desde o século XIX.

O feminismo alterou principalmente as perspectivas predominantes em diversas áreas da sociedade ocidental, que vão da cultura ao direito. As ativistas femininas fizeram campanhas pelos direitos legais das mulheres (direitos de contrato, direitos de propriedade, direitos ao voto), pelo direito da mulher à sua autonomia e à integridade de seu corpo, pelos direitos ao aborto e pelos direitos reprodutivos (incluindo o acesso à contracepção e a cuidados pré-natais de qualidade), pela proteção de mulheres e garotas contra a violência doméstica, o assédio sexual e o estupro pelos direitos trabalhistas, incluindo a licença-maternidade e salários iguais.

Se estudarmos só um pouco sobre o feminismo, veremos que este nasceu através da luta por igualdade. Pessoas sérias se engajaram e dedicaram suas vidas perseguindo um sonho; e tudo que buscavam é que mulheres não fossem tratadas como diferentes ou superiores, e sim como iguais. Que todos, independente do sexo, fossem julgados e vistos como seres humanos. Jamais foi intuito dessas ativistas que as mulheres fossem uma supremacia perante os homens ou que a verdade delas fosse A Absoluta. O grito delas sempre foi por igualdade e não por separatismo. Se as mulheres hoje em dia têm o direito de votar ou possibilidade de chegarem à  cargos presidenciáveis das nações, o movimento feminismo tem muita participação nisso.

Mas, infelizmente, como tudo que começa muito bem, o feminismo foi distorcido e deturpado pelas gerações subsequentes. 


Não é de se estranhar que muitas mulheres hoje em dia fazem questão de deixar claro a desassociação a qualquer coisa que envolva o feminismo. Talvez estas sintam vergonha de como agem ou as coisas que propagam as "ativistas" atuais; provavelmente muitas dessas pessoas não façam ideia o que é, como e o onde surgiu o feminismo. Gritos de separatismo e supremacia feminina jamais serão feminismo. 
Garotas de dezoito anos defecando em retratos de homens. Que tipo de reação da sociedade essas jovens estão esperando?


Autopromoção em cima de causas que deveriam ser sérias 


Estudando e entendendo o quão sério e importante foi o movimento feminismo para transformar a sociedade em mais igualitária e justa, fica difícil compreender a atitude de muitos grupos. 

Vejam: Recentemente, aqui no Brasil, teve o caso da guarda municipal que foi espancada ( com direito a chute na cabeça) por um homem que já tinha agredido a própria esposa anteriormente. Um caso grave e verdadeiro de violência contra a mulher, mas que... por incrível que pareça, teve repercussão mínima nas redes sociais. 

Em contrapartida, um cartaz na época de lançamento do filme "X-men Apocalype", que mostrava o grande vilão Apocalypse enforcando a heroína do filme, Mística ( que mesmo sendo vilã nas hqs foi alçada à heroína nos cinemas), parou a internet e causou revolta com direito a abaixo-assinados e pedidos de boicote.

Mas que seletividade é essa? Entendam: não estou dizendo que não houve indignação com o caso da guarda municipal. Mas, a repercussão, a revolta e o discurso de ódio foram extremamente maiores com um cartaz que mostrava dois personagens AZUIS e Fictícios se confrontando.

Será que é muito mais promocional protestar contra grandes estúdios, multinacionais dos games ou atores de Hollywood do que combater a violência real e diária sofrida por mulheres "comuns"?

Será que é mais fácil, dos quartos climatizados e confortáveis, se autopromover com a desculpa de ser representante de uma causa séria, do que ir para as ruas e apoiar Ongs e projetos que cuidam e amparam mulheres que sofrem ou sofreram algum tipo de violência? 

Assédio Sexual


E para concluir este - longo - texto, vamos falar da mais recente polêmica, o caso Vin Diesel.
 
Assédio Sexual = Art. 216-A constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função.

O próprio artigo sobre o assédio é bastante subjetivo: O que pode ser assédio na visão de um, pode ser algo normal na visão de outro. Ninguém pode determinar o sentimento alheio.

Especificamente sobre o caso, achei o Vin Diesel um babaca. Não por ele elogiar a jovem ou dizer que estava apaixonado. Para mim não tem nada errado nisso. O problema está em: tal como no verso do "Cão Arrependido", ele repete as mesmas coisas 188 vezes. 

Quem já saiu a noite para se divertir ou para azarar, com certeza já viu cenas como esta: O cara, ou a menina ( não se enganem, mulher também faz isso), é até divertido (a) no início, mas depois se torna um chato (a) de galocha com tamanho insistência. Pagou de "Virjão na balada" o Vin Diesel, fato. 


Que o Vin Diesel foi inconveniente, isto ficou bem claro. Mas, se queres entender um caso de forma correta, estude todas as diretrizes do mesmo.

Primeiro é bom que se diga que a youtuber Carol Moreira inicialmente não falou nada sobre assédio sexual, esta afirmação foi feita por jornais da grande mídia. A youtuber só falou que o Don de Velozes Furiosos atrapalhou a entrevista com as suas seguidas cantadas de pedreiro.

Em seguida, a jovem postou fotos no instagram onde interage com o ator e demonstrando uma aparente felicidade e satisfação em tê-lo ao seu lado. Algumas seguidoras da youtuber até questionaram o porquê de postar a foto com uma pessoa que supostamente a assediou sexualmente?!

Bom, mesmo inicialmente tendo afirmado que não sofreu nenhum tipo de assédio e que apenas achou inconveniente a atitude do ator na hora da entrevista, a jovem mudou o discurso dizendo que era vítima e que lamentava pois a culpa sempre recaía em cima da vítima e não do assediador.


Outro argumento que está rolando na internet é sobre a mesma jovem sentar no colo do - casado - Jason Momoa em outro evento da CCXP. Este argumento é completamente inválido: não é porque uma mulher curte algo com um homem que ela é obrigado a curtir a mesma coisa com todos.

Por outro lado, não podemos negar que esta situação é bastante contraditória. Ela, como ser humano, tem o direito de gostar do que quiser, mas não pode estar acima do bem e do mal só porque é mulher. O seu direito termina quando o do outro começa. Do mesmo jeito que a esposa do Vin Diesel deve ter ficado feliz por aparentemente a youtuber não ter gostado das investidas do ator, a esposa do Jason Momoa deve ter ficado incomodada quando esta mesma jovem sentou no colo do atual Aquaman.

Digo e repito, a moça tem todo o direito de se sentir incomodada com a atitude do Vin Diesel (que foi um babaca), mas haviam mil maneiras de demonstrar esta indignação. A constante mudança de comportamento e opinião da própria traz uma sensação de que ela estava "remando com a maré da promoção!" 

Respeito não tem preço... para todos os lados.


Em suma, não pretendo fazer julgamentos. O que trago são fatos de protestos e revoltas que não parecem em nada com o feminismo que mudou o mundo e conseguiu igualdade entre homens e mulheres. Parece que esta geração de "ativistas" está mais preocupada com likes e curtidas do que ajudar pessoas reais.

Este post não tem pretensão de trazer uma verdade absoluta para a sociedade (ou internautas). Isso é apenas a visão de uma pessoa que observa e tenta entender argumentos cada dia mais contraditórios de pessoas que fogem totalmente daquilo que deveria ser algo sério e necessário. 

Gostou do post? Tenho alguma sugestão ou reclamação? Deixe sua opinião nos comentários e curta as nossas páginas nas redes sociais!