Opnião: 13 Reasons Why - a banalização do suicídio ?


13 Reasons Why é a série em alta no Netflix, muito por questão da polêmica pela qual gira sua trama.



Para discutir um pouco sobre a mesma nesse post, tive de avaliar seus 13 episódios. A série trata de dois temas maiores, o suicídio na adolescência e o bullyng (que porventura é a causa do primeiro). Mas há muitos aspectos que temos que discorrer aqui.

Sobre a trama

Uma jovem adolescente, Hannah Baker, deixa 13 fitas gravadas por ela para revelar os reais motivos de sua morte. As fitas tem detalhes da participação de vários 'colegas' de escola que de alguma maneira teriam tido atitudes discriminatórias ou praticado bullyng a ela. O espectador revisita toda a história que culmina no suicídio da moça através das gravações.
Fiz questão de não ler reviews ou qualquer coisa antes de ver a série para não interferir na minha visão, mesmo assim algumas coisas de 13 Reasons me incomodaram. A temática tem o lado positivo de alertar sobre o bullyng e como ele pode prejudicar o desenvolvimento de uma criança. Também tem breves passagens sobre machismo, homofobia, estupro e etc. Mas a abordagem pode conter uma dualidade aterrorizante - discutida mais profundamente nesse texto.

Analisando a série em si, um dos problemas maiores é a enrolação desenfreada para prender o público no suspense de saber qual é o grande motivo da morte da garota e também do que o seu interesse amoroso teve de participação (o personagem Clay Jensen). Claramente a série poderia ter 6 episódios e não 13, é arrastada e enfadonha. Apesar de tentar flertar com outras temas mencionados ela o faz de maneira superficial, e deixa muita coisa boa longe de ser explorada. O relacionamento lésbico de uma das personagens da trama é um bom exemplo. Simplesmente é descartado as implicações de suas decisões no meio da trama, assim como em outro caso do vício de um dos adolescente em bebida alcoólica. No aspecto de roteiros ainda temos outras coisas chatas, como o constante uso do 'foi só um sonho' que em determinada cena acontece 3 ou 4 vezes em sequência;
Como a história intercala flashback entre o ocorrido e o que o antecedeu, os roteiristas usaram um artifício de um machucado no protagonista, para sabermos a diferença entre as linhas do tempo. O que beira o ridículo , além de injustificável pois as fotografias são totalmente diferentes nas linhas temporais (em uma a moça ainda está viva e em outra não - simples).


Mas vamos em frente, e a discussão fica mais séria. Não pensando na estratégia de marketing para promover a série em parceria com o Centro de Valorização a Vida (com relação a prevenção/incentivar que adolescentes busquem ajuda) - mas pensando na abordagem de algumas discussões e fiquei mais preocupado. Primeiro a romantização do problema pode acometer a dualidade citada, e isso é destacado em passagens da trama como a frase - “e se o único jeito de não se sentir mal for parar de sentir qualquer coisa pra sempre?”
O que talvez não faça diferença para que nunca pensou em tirar a própria vida, o que não deve ser encarado da mesma forma por outra pessoa com problemas que possam lhe colocar nessa situação. É compreensível aqui que a tentativa é demonstrar de forma crua o pensamento 'despido' de sofridão da moça, relativo a todos os maus tratos que recebera. Mas analisando as documentações técnicas com relação a casos de suicídio e veremos que essa frase pode ter impacto diferente na vida de quem já pensou em se suicidar.

Especialistas citaram fortemente as recomendações da Sociedade Americana após a veiculação da série.
E algumas delas são :
  • O risco de suicídio  aumenta quando a história descreve explicitamente o método do suicídio;
  •  Manchetes sensacionalistas - "Kurt Cobain usou uma arma para tirar a vida";
  • Incluir fotos/vídeos do local da morte e aflição dos familiares;

E a série é uma carta aberta contra praticamente todas as demais recomendações. Além de estar intrinsecamente ligado ao "Efeito de Werther" citado pela Organização Mundial de Saúde em seu documento oficial sobre suicídio. Veja abaixo :

"(No livro) Os Sofrimentos do Jovem Werther, publicado em 1774..., o herói se dá um tiro após um amor mal sucedido. Logo após sua publicação, começaram a surgir na Europa vários relatos de jovens que cometeram o suicídio usando o mesmo método. Isto resultou na proibição do livro em diversos lugares . Este fenômeno originou o termo “Efeito Werther”, usado na literatura técnica, para designar a imitação de suicídios."  (Retirado do documento original neste link)

E o documento vai além, na pesquisa de Philips DP sobre o impacto da mídia em fatalidades ele conclui que "A televisão também influencia o comportamento suicida ... demonstrou um aumento nos suicídios até 10 dias após a TV noticiar algum caso de suicídio".

Visto isso, voltamos a série ! Com spoilers na caixa abaixo




Comentário retirado da internet

Para concluir tudo isso, ao pesquisar as imagens desse post encontro notícias de mortes reais no Brasil relacionadas a série. Uma moça de Itajaí e outra do Maranhão (para ver as máterias click nos links no nome da cidade). 
No caso da moça de Itajaí, Santa Catarina, muitos comentários foram encontrados em sua página oficial no Facebook (em respeito a família nada será divulgado).

Comentário Retirado da internet.

Já no caso da moça de Maranhão, uma carta foi deixada, com um trecho mencionando a série :

"Ontem vi pessoas dizendo que a série 13 reasons why influência jovens a se suicidarem. Mas eu não acho isso....Eu não me matei porque uma serie me influenciou, não pensem isso” (Fonte : Polêmica Paraíba)

O balanço poderia ser mais positivo para esta série, que em minha opinião se perde em sua própria proposta. E não estou querendo pesar a mão neste julgamento, entendo que uma das ideias era que fosse dolorosa para chocar, mas não de maneira a distorcer o fato da depressão e outros. Creio veementemente que a série também pode ter ajudado outras pessoas com algum tipo de quadro similar ao da personagem. Mas visto que toda a trama transforma o ato de Hannah numa vitoriosa vingança contra a opressão (completamente errada que fique registrado) que sofrera, passa a ser de um mecanismo de informação/entretenimento/apoio para um potencial fomentador de atitudes similares. 


guest author area 51 Erick Cavalcante
Poeta amador, músico frustrado, colecionador de HQ,s, roteirista de histórias nunca lidas.Vive recluso em Asgard tomando hidromel e arquitetando posts que não dão views. Twitter/Facebook