Top HQFan: Representatividade de minorias nos primórdios dos quadrinhos de super-herói da Marvel



Depois do anúncio da treta sobre a dita crise nas vendas da Marvel, que teve entre suas supostas causas o fato de que "o público está cansado de política e personagens de minorias descaracterizando os heróis da editora". Selecionamos alguns personagens criados nos primórdios da Marvel que provam que a presença de minorias está no bojo da construção desse universo desde seu surgimento.


#7 Hulk (1962)



Um personagem surgido no auge da Guerra Fria e pouco depois da histeria do Macarthismo que tinha em suas primeiras histórias o exército americano como principal antagonista tinha tudo pra ser taxado de propaganda comunista. O fato do personagem ser um monstro criado por uma falha num teste no programa nuclear também não ajudou muito. Ter como um dos grandes motes simplesmente querer ser deixado em paz em um contexto geopolítico extremamente belicista transforma o Hulk num "Social Justice Warrior before it was cool" e um caso de minoria política. Make smash, not war.

#6 Thor/Donald Blake (1962)


Um deus não-cristão já poderia dar treta por representar a existência de minorias religiosas. Um deus não-cristão que vira um deficiente físico poderia dar muito mais por representar a existência de minorias religiosas e de condição física. Um deus não-cristão que vira um deficiente físico que é rejeitado pelo interesse romântico pelo fato de ser "manco" hoje em dia seria visto como panfletário por mostrar a existência de minorias religiosas e de condição física e como as relações inter-pessoais são mediadas por preconceitos e discriminações. Mas a Marvel fez há 55 anos.

#5 Doutor Estranho (1963)


A história de um homem que se arrisca viajando pelo mundo e se entrega a uma sociedade secreta de ocultismo oriental (esses caras adoravam uma religião fora do padrão, hein?), denunciando que não há assistência social a pessoas com deficiência e nem serviço de saúde pública  nos EUA. Essas minorias religiosas e de classe são muito rebeldes pra enfrentar o Comic Code!

#4 Homem-Aranha (1962)


O maior herói da editora é um filho adotivo que por não se contentar com a pobreza e a falta de aceitação social dos colegas de escola acaba se envolvendo no submundo das lutas clandestinas. Ao ver seu tio ser vítima da violência urbana, vê sua tia idosa ter que se virar para sustentá-lo (sem previdência que preste = sem pensão do marido morto nem aposentadoria para vovós donas de casa). Meça seus esquerdismos, parça!


#3 X-Men (1963)


Um deficiente físico solteirão líder de uma milícia de adolescentes marginalizados socialmente por conta de terem nascido diferentes da maioria das pessoas. Tudo isso durante a luta por direitos civis dos negros, o advento dos movimentos de contra-cultura jovem dos hippies e ainda sob efeito do impacto do livro A Sedução do Inocente, de Werthan. É muita problematização!

#2 Pantera Negra (1966)


O rei de uma avançada nação africana que historicamente resistiu à escravidão, ao colonialismo, ao imperialismo e ao racismo, tudo isso enquanto no contexto internacional ainda existiam países na África que eram colônias e quando os já independentes estavam majoritariamente envolvidos nas disputas da Guera Fria e nacionalmente a luta por direitos civis ainda estava em curso e despontava uma organização do movimento negro que resistia à brutalidade policial por meio da luta armada. Que pena que meio século depois os negros seriam radicais a ponto de falar de racismo na internet.

#1 Falcão (1969)


Em sua origem mostra que as comunidades afro-americanas estão marginalizadas socialmente, o que às deixa a mercê da criminalidade pela falta de políticas públicas. É pego numa disputa que remonta à Segunda Guerra Mundial ao ser usado como isca do Caveira Vermelha num plano contra o Capitão América. Ao virar herói não aceita o papel de ajudante do herói nacional, sempre contestando sua pouca atuação em relação às desigualdades sociais existentes dentro do "sonho americano". Seu grande momento se deve ao apoio do Pantera Negra, que melhora seu traje construindo para ele asas mecânicas, mostrando que quando um negro ascende socialmente deve apoiar os outros.


Postagem política com algumas doses de ironia apontando a reflexão como solução para as pessoas que se acham neutras mas que só são contra a representatividade quando ela não representa os mesmos de sempre: homens brancos ricos e heterossexuais.