Header Ads

test

Considerações sobre o nazismo enquanto seu espectro político (esquerda ou direita)




Depois de ler um texto do site da BBC, resolvi fazer um textão de Facebook, já que estava com tempo livre. Como lembrei que estou devendo o post trimestral pro site, resolvi fazer um "Copiar e Colar", trazendo até aqui o texto na íntegra par aos amigos poderem fingir que estão lendo algo de valor político enquanto estão procurando por mais notícias dos filmes da DC.

Vamos pegar aquela discussão que vem surgindo muito dentro das discussões de história sobre qual seria o espectro político do nazismo, ou em outras palavras, se eles eram de "direita" ou de "esquerda".

Coisa que o texto traz de bem interessante é justamente mostrar que nossas perspectivas atuais sobre "direita" e "esquerda" são problemáticas para avaliar o que foi o movimento na época tendo em conta o próprio projeto do movimento, mas alguns pontos podem ser feitos para só questão de referência:
 
-Políticas eugênicas eram já amplamente praticadas em países capitalistas, só lembrei de projetos de esterilização em massa de pessoas paralíticas e com transtornos mentais (com apoio da iniciativa privada inclusive), não sendo exclusividade do nazismo, que apenas instrumentalizou uma ideia já vigente em parte daquela sociedade. Pegando matéria da SuperInteressante de alguns anos atrás, tais políticas só foram ser vistas como desumanas no pós segunda guerra;
-Os grupos do partido nazista se apropriaram de símbolos socialistas, desde o nome (nacional socialismo) até símbolos como a foice e o martelo, símbolos dos trabalhadores agrícola e industrial, como forma de cooptar mais pessoas que estavam insatisfeitas com a situação da Alemanha pós-crise de 29 e a crise social lá agravada pela Queda da Bolsa de Nova York;
-Como o texto aponta, a grande semelhança entre o que Hitler e Mussolini fizeram com o governo de Stálin reside no fato de ambos terem sido governos totalitários com culto ao líder e altíssima propaganda política. Tomando por essa lógica, a ditadura brasileira, a despeito de não ter tido uma espécie de "culto ao líder" na forma nazista e stalinista, ainda assim era tomada por grande repressão política e social, além de uma fortíssima propaganda política ressaltando valores que teoricamente seriam intrínsecos a nação e que a "defesa da nação" era um dever de todos os brasileiros, sendo quem discordasse das decisões do governo estaria "Contra o Brasil", o que é bem similar a propaganda vinculada por um certo governo que está no poder do Brasil atual, e nem por isso está perto de ser considerada de "esquerda";
-Pegando um ponto interessante que vem sendo usado muito na mídia sobre a nossa legislação trabalhista ser de origem fascista, deve-se perceber o contexto histórico dela, enquanto uma época de efervescência social, marcada por diversas greves e conflitos de trabalhadores com patrões e o governo (que sabidamente este último não ficava do lado dos empregados), sendo ela uma forma de controlar justamente esses conflitos. Mas seu caráter fascista não está no fato de ser uma legislação trabalhista, mas no fato dos sindicatos estarem sobre o controle do governo! Essa é a sacada que foi sendo usada para justamente garantir que mesmo com uma legislação trabalhista, o que ainda hoje é dor de cabeça para muito grande empresário, ela não é esse paraíso para os empregados e estrategicamente exclui muitas classes que não são beneficiadas delas para poderem ser subordinados a situações mais precárias de trabalho, a exemplo do terceirizados (ou quarteirizados, como vem sendo desenhado) e dos estagiários, dos quais muitos aqui fazem parte;

Tentando concluir, a despeito de ser difícil enquadrar um espectro político na época dos movimentos fascista e nazista, hoje em dia, com nossos ideais de políticos que teoricamente deveriam ser defendidos de democracia, respeito e aceitação da diversidade, igualdade dos povos e combate ao preconceito e discriminação, pode-se muito bem enquadrar os atuais seguidores do movimento nazista, neonazis ou mesmo criadores de movimentos para ressaltar "a importância da cor branca" (alguma espécie de "Associação Branca" ou "Coletivo Branco", alguma coisa besta do gênero) faz parte de um dos mais retrógrados pensamentos políticos da atualidade e uma sociedade democrática como a nossa diz ser deve trabalhar arduamente para combatê-lo.

Após tudo isso, fica uma singela musiquinha para entrar no clima pós texto. Até a próxima e Há Braços!