Então, Temos um Vigilante...


Vou seguir um padrão dos filmes de super heróis e vou dar um nome ao vigilante: O CALANGO MASCARADO! Vemos outros fenômenos dos quadrinhos acontecendo neste caso também, como a polícia investigando o misterioso vigilante. Ele diz já ter combatido 8 criminosos, não sei se juntos ou individualmente. eu tenho minhas opiniões sobre esse tipo de ação, na maioria dos casos eu apoio. Mas há um problema que diferencia os "super heróis" do mundo real para a ficção. Isso se chama senso de justiça. Não vou nem entrar no mérito da possibilidade de alguém se vestir com uma fantasia e sair por aí combatendo bandidos, vários personagens de Quadrinhos (destaco o Roscharch... Rosch... Rorsch... você sabe quem), e segundo esse cara, o próprio está fazendo isso. Em 2012, um cara com capacete vermelho em uma motocicleta atirou em dois criminosos que realizavam um assalto em São Paulo. Foi um ato heroico? Bom, ele impediu o assalto... há muitos pormenores para serem avaliados,m as o fato é que ele impediu o assalto e ninguém sabe da sua identidade.

A Liga da Justiça BR.
Quando lemos um quadrinho, escrito por um autor que sabe o que o personagem representa,significa que há limites para a atuação do personagem. Às vezes os limites não são os limites do mundo real, claro, mas os limites que realmente definem um bom herói são os limites morais. Será que um homem mascarado vai ficar melhor que um PM após uma ação, no sentido de superar o impacto que a violência que ele viveu, sem preparo psicológico? Será que ele vai ser o homem altruísta que o mundo precisa, logo em um mundo com tantos tons de cinza e especialmente em um país que já nasceu com tantas manchas? Não que eu queira desencorajar a crença no herói, mas o herói tem que estar acima das coisas mundanas. Acima da mesquinharia, acima do medo, acima de si próprio. Se um desses homens começar a agir por vingança, para resolver pequenos problemas pessoais, desavenças ou combater coisas que ele não gostou, independente delas serem legais ou não, ele estará se desviando do propósito que sugere seguir, o da justiça. E nesse país, ás vezes é realmente muito difícil entender o que é justiça.


Nos EUA, esse é um movimento presente, apesar de poucas vezes realmente efetivo. Na maioria das vezes, os "heróis" ajudam velhinhas a atravessar a rua, dão comida aos mais necessitados etc. Não que isso seja ruim, muito pelo contrário, mas são ações que seriam melhor recebidas se fossem feitas de cara limpa. Há alguns casos de vigilantes que desmantelam quadrilhas, impedem assaltos e realmente mantém a ordem, mas são uma minoria. No Brasil, temos mais casos simbólicos, de pessoas se fantasiando como Batman na Lapa e o Batman Pobre do Rio. combatendo o crime, acho que é a primeira vez. Seja lá o que estiver acontecendo, é bom estarmos muito atentos. Este é um país onde até super heróis devem ficar com um pé atrás.

Cara, o Batman pobre é o melhor!



Agora, foda mesmo seria isso:

Arte: Renan Ishin
Fotos: Google Imagens

Confira Também...

0 comentários