Relembrar é viver: Opinion Zone: O Apanhador no Campo de Centeio

A preguiça é mãe de todos os desocupados e para saudar-lá, venho fazer outro post de promoção pessoal dos meus posts antigos no quadro Opinion Zone. Se deliciem com esta chuva de erros lógicos e de português, além de uma época em que dar nota para as paradas parecia fácil.


E aí, MF na áre...  Estagiário do HQFan na área e em mais um quadro Opinion Zone para apresentar a vocês uma obra litarária sem desenhos. Sim eu estou falando de um livro mesmo e no caso ele é O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger, o tal livro que um bando de maluco leu e diz que cometeu crimes porque o livro tinha uma mensagem para eles fazerem aquilo. Malucos a parte, o livro é um clássico da literatura juvenil americana e resolvi tirar um tempo para dar para vocês a minha opinião.



O livro trata da história de Holden Caulfield, um jovem de 17 anos que acabou de ser expulso de mais um internato e está voltando para casa contar a notícia, incerto do seu futuro a partir daí. Então é apresentada a vida desse jovem durante um fim de semana, enquanto ele reflete sobre a própria vida e o que acontece em sua volta.Sim, é só isso. Nada de aventuras no Misouri, amor proibido ou alguma trama de traição familiar. Só acompanhando um adolescente e seus pensamentos sobre o que o cerca.

E um adolescente chato, diga-se de passagem. É um moleque que vive reclamando da vida, de todos que estão a sua volta acha que todo mundo é um cretino. Você é um cretino se for burro, se for inteligente, se for talentoso em alguma coisa, se gosta de cinema, se gosta de ler, se é mal com todo mundo, se é bom com todo mundo, etc. Além disso, vemos a incerteza dele com relação ao mundo, sua indecisão sobre seu futuro e muita auto-reflexão.


Acredito que o leitor da resenha já está " Porra, mas que livro chato esse daí, que merda! Parece filme iraniano!". Mas a grande sacada do livro é mostrar que muitas vezes um adolescente é daquele jeito. Porra, é uma fase onde você muitas vezes tem que decidir o seu curso que vai decidir a sua carreira, tem que se acostumar as novas responsabilidades como adulto e às vezes descobrindo a própria sexualidade. É obÓvio que a pessoa ia ficar alterada, e do mesmo modo que muitas vezes as pessoas a sua volta não a compreendem, ela não compreende o mundo a sua volta e o acha "cretino".

Na figura do Holden, já vi muita gente dizendo que ele é um crítico da sua sociedade, às vezes algumas pessoas o comparando a um Machado de Assis e tudo mais. Mas gente, ele é só um cara que não sabe o que fazer da vida e acha tudo que é estranho para ele. Sim, ele faz algumas críticas e elas são interessantes, mas o foco do livro não é mostrar um rebelde fodão e sim um moleque perdido no mundo. Além disso, é apresentado sobre a família dele e parte de suas frustrações e desejos se explicam nela, principalmente na figuras de seus três irmãos.


Sobre a narrativa, ela é um ponto especial. Como o livro é em primeira pessoa, você terá o "adolescente chato" fazendo toda a narração dos fatos para o leitor e como ele não é nenhum poço de refinamento, há muito uso de linguagem coloquial e de alguns palavrões, mas nada de pesado demais, só um "merda" aqui e acolá perdido. O importante é que realmente dá a impressão de que é um adolescente escrevendo, com um vocabulário limitado e sem grandes rebuscamentos.

Por fim, acho que o livro é recomendado para aqueles que se encontram nessa fase mais difícil que é a adolescência como também para pessoas mais adultas, para que as ajudem a compreender essa fase de merda que é o fim da adolescência. Fora que você pode bancar o fodão e dizer que leu o livro sem ficar birut... Matar John Lennon, Matar John Lennon... Não é um livro perfeito e não sei se pode mudar a vida de alguém, mas ele é uma leitura interessante que pode te mostrar um pouco mais desse universo de merda que pode ser a vida de alguém nessa fase.

Nota: 8,74601245411238...

E ai, que acharam? Deixem duas sugestões, elogios, críticas, xingamentos para o Kaguenofodus e o que mais interessar possa nos comentários. Abraços, falows e até... até mais.

Confira Também...

0 comentários