Crítica: Lobo Solitário - Um filme fiel ao Manga


Apenas um arrependimento com relação ao filme de Lobo Solitário, porque não o vi antes ? 
A saga de Itto Ogami é uma das mais fiéis adaptações cinematográficas de uma obra em quadrinhos.

A velha epopeia da falta de tempo. Não é difícil atualmente culparmos nossas promessas não pagas por falta de tempo (quer isso seja ou não verdade). E eu finalmente cumpri minha primeira etapa de uma promessa há muito feita (e não dependia só de ter tempo). Após anos a PANINI decidiu relançar Lobo Solitário, obra máxima dos quadrinhos japoneses. Sempre aficionado pelo mundo Samurai, e com uma menos da metade da coleção anterior (o que não tinha a primeira edição) - resolvi cravar - finalmente eu vou ver a série de filmes baseada na obra.

Li o primeiro volume numa noite - vi o filme noutra. E o que tenho a dizer ?
Se você tem listas de filmes fiéis a obra original dos quadrinhos, quer sejam animação ou longa, e não tem Lobo Solitário... eu lamento, sua lista precisa de um up. Isto porque foi um choque ver o filme, ele é realmente a transposição praticamente integra do volume 1 de Lobo Solitário para as telas. Visto as proximidades da leitura, fica ainda mais evidente as similaridades inclusive no texto. As tomadas do manga com as executadas no filme também são tratadas desta maneira, inclusive os embates. Claro que temos ressalvas aqui, é diferente ver as coreografias e lutas em movimento comparadas ao material original, mesmo assim todas respeitam o conceito visual do manga.



É preciso entender que a obra nas telonas tem efeitos que podem parecer 'toscos' já que datam de 1972. Mas a história é tão recompensadora que não vejo porque se incomodar com esse detalhe. Um dos grandes trunfos da história é contar com os autores originais na produção dos roteiros o que permite a obra ser muito fiel ao quadrinho. É tão ou mais bem sucedida nesse ponto que Sin City de Frank Miller/Robert Rodriguez.  Tomisaburo Wakayama, entrega um Itto Ogami que tem no olhar toda a imponência de um assassino frio e sobra nas cenas de drama.
A única diferença em relação,  a este que é o primeiro filme de 6 que adaptam Lobo Solitário, está em demonstrar um pouco do ocorrido com a esposa de Ogami por flashback. Este trecho em questão não está presente no primeiro volume da obra, mas é ideal para colocar o telespectador em sintonia com as decisões de Ogami e sua relação com a vida e com o filho.


Lobo Solitário: ' A espada da Vingança' é uma obra de encher os olhos que inicia uma série de cinema tão importante quanto o manga - um dos mais influentes do mundo. Para qualquer fã de Samurai, cultura japonesa e filmes de drama. Se leu o recente volume da editora Panini, prepare-se para revisitá-lo na sua tela.  Lobo Solitário bebe do melhor que as lendas samurais tem a ofertar.





guest author area 51 Erick Cavalcante
Poeta amador, músico frustrado, colecionador de HQ,s, roteirista de histórias nunca lidas.Vive recluso em Asgard tomando hidromel e arquitetando posts que não dão views. Twitter/Facebook