Superman V KKK: filme em negociações deverá mostrar herói lutando contra racistas



A produção está em negociações e contará a história do arco de 16 episódios da série de rádio do Super, transmitido em 1946.



O Deadline noticiou que o produtor Marco Vicini, a Lotus Entertainment e a Paperchase Films estão em negociações para produzir um filme sobre o livro Superman Versus The Ku Klux Klan: The True Story of How the Iconic Superhero Battled the Men of Hate (que pode ser traduzido como "Superman Versus a Ku Klux Klan: A Verdadeira História de como o Icônico Super-herói Combateu os Homens de Ódio", de Rick Bowers.



O livro conta a história por trás da produção do arco "Clan of The Fiery Cross" ("Clã da Cruz Ardente" em tradução livre), composto por 16 episódios de 15 minutos e veiculado em 1946 ( o que dá 4 horas de produção!!!), onde o Super enfrentou a Ku Klux Klan, organização racista especializada em perseguir, linchar e assassinar negros nos EUA desde o século XIX, que tem como uma de suas marcas registradas deixar cruzes pegando fogo nos locais de seus ataques.

Stetson Kennedy havia se infiltrado no grupo e num dado momento ofereceu à produção da série de rádio The Adventures of Superman informações sobre o grupo para que se tornassem inimigos a serem combatidos pelo último filho de Krypton. O resultado pode ser ouvido (em inglês sem legendas) completo no Youtube.





O impacto foi tão grande que a KKK tentou sem sucesso convocar um boicote aos produtos da Kellogg's, na época patrocinadora do programa, mas nem a empresa nem a produção recuaram, o que ajudou a desmoralizar o grupo nos EUA.

É curioso que enquanto hoje muitos nerds dizem que o "politicamente correto está acabando com as mídias nerds" há 70 anos um programa infantil do universo transmídia do Superman já tinha atuação política contundente. 

Parece que no tempo do bisavô dessa galera as coisas eram mais avançadas.

guest author area 51  Richard Christian - Prof. Pinto
Ativista anti-racismo muito conhecido no grupo de quadrinhos da deep web. É capaz de citar referências de cultura afro-pop fazendo analogias com mitologia egípcia e funk. É um dos poucos papais do grupo. . Twitter / Facebook