Caso Gerard Jones: Quadrinista surpreende público ao ser preso com pornografia infantil

Foi amplamente divulgado na midia em todo o mundo a prisão do quadrinista Gerard Jones, 59 anos, responsável por títulos da Marvel, DC, Dark Horse Comics, Viz Media, Malibu Comics, e também por roteiros de produções da Warner Bros e 20th Century Fox. Segundo informações divulgadas pela Fox de São Francisco, ele foi preso no dia 29 de dezembro por suspeita de possuir e distribuir mais de 600 arquivos com pornografia infantil no Youtube, inclusive com imagens de crianças de um ano de idade.
Foto da prisão divulgada pela polícia americana. (foto: Kron4.com)

De acordo com a notícia, o material foi encontrado através de uma investigação, com indícios suficientes para gerar um mandado de busca à residência do acusado, onde haviam vários equipamentos que armazenavam o material pornográfico ilícito, resultando na detenção pelas acusações de suspeita de posse e produção de pornografia infantil, envio de material nocivo para menores e distribuição de pornografia infantil. Os investigadores também suspeitam de uma possível viagem de Gerard para Londres há alguns anos onde teria se relacionado sexualmente com um menor de idade. O advogado do quadrinista negou todas as acusações, além de afirmar que ele não tem antecedentes criminais: “É importante diferenciar agressores sexuais violentos nesses tipos de caso, porque há uma grande diferença”.


Gerard Jones em painel da San Diego Comic Con. (foto: Divulgação)

Gerard Jones participava com frequência de eventos voltados para o público de quadrinhos, como a San Diego Comic Con. A foto acima mostra uma de suas últimas aparições com maior repercussão, onde interagiu com o público ao lado de Nicky Wheeler- Nicholson, demonstrando temperamento cordial e articulado, como é possível ver neste video. No conteúdo de suas obras literárias e palestras, o tema infância é tratado de forma didática, porém levantando questionamentos polêmicos, como no livro "Brincando de Matar Monstros – Por que as crianças precisam de fantasias, videogames e violência de faz-de-conta".

Durante palestra no SESC Pinheiros em 2006, com Gonçalo Junior e Rogério Saladino. (foto: Bigorna.net)

Ele esteve em visita ao Brasil no ano de 2006, quando realizou duas palestras: "O brinquedo e as inquietações do mundo contemporâneo: o encurtamento da infância", e "A Violência em Jogo: verdades e mitos acerca das armas de brinquedo, jogos eletrônicos, histórias em quadrinhos, RPGs e seriados de TV", para a divulgação de um dos seus livros lançados em nosso país. Na ocasião, participaram diversos nomes do quadrinho nacional, como Rogério Saladino, atualmente na Jambô Editora, que foi o intérprete de Gerard. Ele comentou o caso: "Estou absolutamente chocado. Nos dias que eu trabalhei com ele, não tive nenhuma indicação de qualquer comportamento desse tipo. Nenhum comentário sobre sexualidade, sobre esta ou aquela pessoa chamar a atenção pela aparência ou algo assim. Ele me pareceu mesmo como uma pessoa que estudava um assunto e estava no Brasil para divulgar o trabalho dele. Eu fiquei (e ainda estou, pra dizer a verdade) chocado e estarrecido. É bem mais que triste". 
Rogério acredita que o caso repercute negativamente no mundo dos quadrinhos: "Eu acho que é um fato isolado, mesmo. O Gerard Jones não é exatamente um nome que influencia e direciona o mercado, como um Jim Lee ou um Frank Miller. Mas é uma mancha terrível no meio. Infelizmente, estamos vendo que nos quadrinhos temos pessoas de todos os tipos, incluindo os ruins e péssimos. Isso só mostra que a gente precisa ficar muito atento e, no caso de gente que comete crimes, elas devem ser presas".

As investigações do caso continuam, e a polícia americana disponibilizou um número de telefone para possíveis denúncias.
guest author area 51  Gisele Henriques
Administradora com MBA em Administração e Marketing, contabilista, jornalista, desenhista, locutora, podcaster, professora e graduanda em Artes, é uma criatura de extrema modéstia. É mãe de gatos imaginários. Twitter / Facebook